Namorar

23% das jovens negras nos EUA se identificam como bissexuais

Revista contato 57405

Nesse sentido, as consultas em ginecologia continuam centradas em pressupostos heteronormativos, preponderando aspectos reprodutivos em detrimento dos aspectos sexuais da vida. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. O homossexual visto por entendidos. Rio de Janeiro: Garamond, Rio de Janeiro: Garamond Beneath the Equator: cultures of desires, male homosexuality, and emerging gay communities in Brazil. New York: Routledge, O corpo e a sexualidade. O corpo educado: pedagogias da sexualidade.

A reação do profissional médico diante de uma paciente não heterossexual

Na mesma época, numa banca de noticiário, lembro de ter folheado uma revista de homens e gostado. A lacuna de liberdade sexual no mundo me incomoda. Você gosta de gatos ou de cachorros? Homens ou mulheres? O tempo todo precisamos fazer escolhas excludentes.

Você pode estar junto nesta luta

Percebi que a bifobia é presente mesmo mesmo em grupos de pessoas que se consideram progressistas, porque o tempo todo a minha bissexualidade foi ligada ao fato de eu estar solteira, como se fosse uma fase de carência e rebeldia. Parecia impossível para essas pessoas que mesmo num relacionamento hétero e monogâmico eu continuasse a afirmar que eu também gostava de mulher. Via Feminista Cansada. Cada relatório é uma forma de expor as nossas vivências, denunciar as discriminações sofridas e argumentar contra a lesbofobia, bifobia, homofobia e transfobia.

Leave a Reply

Your email address will not be published.